BALIKPAPAN (Domingada)

Compartilhe:

1 –BALIKPAPAN – é uma cidade da Indonésia, capital da Província de Kalimatan Oriental. Fiquei com este nome na cabeça, não deve sair tão cedo. Encontro de Governadores de vários Estados da Amazônia brasileira e peruana. Uso de droga por lá é pena de morte. A floresta é produtiva e soma forte na riqueza do país. Povo muçulmano. As mesquitas abrem às 5h da manhã. A região também é produtora de petróleo. Bali fica por perto, Oceano Índico. Austrália um pouco mais distante.

2 – A SABEDORIA DE OUVIR – todo mundo gosta é de falar. E falar muito. Ouvir mesmo o que os outros têm a falar, pouco. Principalmente, quando se fala de recursos para as cidades. Nada melhor do que ouvir a comunidade  para errar menos. E evitar o desperdício de dinheiro. O povo pede pouco. Só o essencial. Este essencial deve ser atendido.

3 – GOVERNOS – você pode escolher dois caminhos: o farol alto para o futuro ou ficar olhando pelo retrovisor. O Brasil não tem mais espaço para o retrocesso. Porque se usar bem o que já existe e fazer a máquina funcionar, já é uma grande conquista.

 

4 – ADALBERTO – é um velho morador de Calama (Distrito de Porto Velho). Há dois ou três anos estive por lá. Adalberto falou para implantar no distrito um terminal da Caixa Econômica, porque ir à Porto Velho todo mês pegar a aposentadoria, não compensava. Ele foi logo dizendo: – aqui não tem Internet. Faça isto pra nós!

5 – ADALBERTO 2 – O governo contratou o sinal de Internet por satélite. A Caixa colocou um terminal bem simples no mercadinho do distrito. Foi ótimo. Também sinal  na sede da EMATER. No entorno do prédio pega internet até cerca de 50 metros. O pessoal descobriu. Bancos, tamboretes, cadeiras e tocos foram colocados debaixo das mangueiras. E o pessoal se aglomera para usar o celular. Uma ideia que veio da própria comunidade. E deu certo.

6 – O LUGAR DO EX – Sou  ex-secretário de saúde, ex-deputado, ex-prefeito e por último ex-governador. Sempre me comportei como um bom EX. Reservo-me ao silêncio e a me colocar em meu lugar. Porque o EX não deve se meter na vida do sucessor. Porque cada ser humano tem dentro de si, o que se chama prioridade. E além do mais, a vitória do sucessor vem do seu discurso e compromissos com o povo.

7 – MERCADOS E FEIRAS – Sou um visitador de mercados populares e feiras. Gosto de ver o movimento do comércio desinibido. A força do vendedor perante o concorrente próximo. E o movimento das pessoas. Além do mais, nas feiras e  nos mercados populares, sem querer, termina-se encontrando muitos amigos, que há tempo  não  se via. Ao sair destes locais, saímos bem mais felizes do que chegamos.

 

8 – FLAMENGO – Eu sou torcedor do Flamengo. Agora, não me pergunte o por quê? – Não sei. Desde menino, quando se ouvia de longe, pela Rádio Globo, na voz de Valdir Amaral, os jogos de futebol do Rio de Janeiro. Assim, sem mais, nem menos, passei a gostar do Flamengo. Sou torcedor do nome, das cores. Não me pergunte o nome do goleiro e nem a escalação.

9 – FEIRA DO AÇAÍ – Bem cedo, na caminhada, em Macapá (2017), às margens do Rio Amazonas, duas voltas no entorno do Forte São José, subi o calçadão. Vi muita gente aglomerada. Pensei que fossem jovens saindo de um baile. Estava ainda escuro. Passei para o outro lado da Avenida. À frente, perguntei que aglomeração era aquela? – Feira do açaí. Voltei. Entrei no meio da confusão. Pampeiro (balaio) e mais paneiro cheios.  Carros chegando e saindo, carregados. Gente oferecendo e gente comprando açaí que vem do outro lado do Rio. Um evento muito bonito.

10 – EDUCAÇÃO E INDIFERENÇA – No Brasil merece um estudo completo. Sociologia, Filosofia, Pedagogia, Política e Psicologia do comportamento. Por que a educação no Brasil não melhora? Será que é culpa da classe política  que não tem interesse em um povo esclarecido? Será? – Se perguntar a qualquer político brasileiro ele dirá que EDUCAÇÃO é a maior prioridade. Eu acho que todo mundo tem culpa. Como todo mundo é uma expressão vaga e indefinida, termina que todo mundo fica esperando por todo mundo. E ninguém age com poder do grande acordo. O pacto verdadeiro pelo nosso próprio futuro.

 

 

 

Compartilhe: