Ri de mim

Compartilhe:

autor: Arhtur Moura Campos

 

(este poema mexe comigo. ele fala do  rio meia ponte. corta goiânia ao meio. Mais que o meio. transversa. morei perto dele quando casei, bairro feliz, brejo ao fundo, saparia, do outro lado o bairro jaó. era ainda um rio bonito, limpo, pescaria. hoje, praticamente, morto.  parabéns ao arthur por este  poema tão lindo sobre o rio meia ponte. Confúcio)

 

nos fundos

embaixo

pelo meio

esquecido

 

Contínuo

morto

vivo

quebrado

 

Quem sente seu cheiro

ao cruzar o outro lado?

 

É úmido

moído

pedras-plástico

 

Embrulhado

no concreto

asfalto

 

Escorregento

enlameado

 

É preciso olhar o tempo

para redesenhar seu nome

 

Ouvir

sapo velho

insone

 

Entre dois

canos

amassado

 

Pescar

latinha

de skol

 

Pra ver

se nasce

dourado

 

Descorregar a

descarga o

descaso

 

Sua voz tá miúda

seu chuá

um chiado

 

Corre

go

lento

 

Corre

amar

rado

 

Onde

onde

onde

 

…nossas retas efêmeras,

seus meandros sagrados.

 

Compartilhe: