Confúcio Moura
Médico, escritor, cronista
educador e apaixonado por Rondônia

Trincheiras,  Besteiras

Este poema é de autoria da minha neta: Isadora Martins Moura. Trincheiras , Besteiras, Ambos protegem, com a casca dura os ataques que são atirados da direção oposta. Seja de cimento, o forte Ou de brincadeira, No final das contas Quem se salva também atira. Recíproco, Lá vem bala! Análise, É tiro ou é doce? Você […]

Caminhos

Sei que há infinitos caminhos onde possa colocar sentimentos nos trilhos, mas não sei e nem faço ideia qual seja o destino final para cada um deles… Nos mais incontáveis cafés que alguém possa tomar soam histórias, por vezes muito boas, por vezes muito tristes. Tem sempre um caminho para qualquer lugar com uma pequena […]

Painel solto como uma pipa

(Esta crônica é uma mistura de dois tempos. Fiz alguns ajustes. Joguei outras partes fora.  De Ariquemes, 22 de março de 2008 ao dia 27.06.2021) Estamos no período seco. O gramado amarela inteiro. As folhas caem. Saudade das chuvas. Tom Jobim fez poesia e música com as chuvas de março. Um pedacinho dela: “é pau, é […]

As curvas

  Agora sim o dia é outro tão o outro que amanheci A estas horas, ontem, já tínhamos feito 30 voltas no Circuito de Mônaco O seu circuito tem muitas voltas. De longe se enxerga curvas, retas, pontos que a velocidade tem cheiro. Tenho vergonha alheia Chove de dentro de você torrencialmente. Eu me absinto […]

Colapso

Me cai do céu, agora, um lapso Rabisco o papel com lápis Porque o grafite não tem Memória O lapso é tão importante Como o acontecimento feito Maioria das decisões surgem dos lapsos e esquecimentos

Ato (Poesia)

Ser um ser, pode ser um ser Se quiser será Mais até mais que um ser humano Muito diferente de um insignificante Muito mais interessante não ser mal comparado O insignificante, por mais que queira Já tem a inconsciência que é o mais importante

NO REVERSO

Escrever de trás pra frente deve ter o mesmo sentido de escrever de frente pra trás. Só por uma questão de ângulo. E se virar a página de cabeça pra baixo é que se pega a lógica. No entanto, eu mesmo sempre gostei de ler no reverso porque ele representa o contrapensamento

L4 (Poesia)

Pode vir andando nas páginas frias da L4 curvando a paisagem de sombras e no caminho tem cheiros que mudam. Tem montes de papelões, latinhas e gente quase humana debaixo do relento. Pode vir andando pela L4 vistoriando certas coisas injustificáveis.  

O ato de esperar

O ato de esperar é tão bom o exercício de esperar como se fosse aula de musculação porque cresce em mim, quando espero, um pé de jasmim daí a pouco as orquídeas chegam com elas as coisas mudam e dá até para se ver estrelas cadentes e tudo é tão bonito esperar é bom porque […]