Confúcio Moura
Médico, escritor, cronista
educador e apaixonado por Rondônia

As curvas

  Agora sim o dia é outro tão o outro que amanheci A estas horas, ontem, já tínhamos feito 30 voltas no Circuito de Mônaco O seu circuito tem muitas voltas. De longe se enxerga curvas, retas, pontos que a velocidade tem cheiro. Tenho vergonha alheia Chove de dentro de você torrencialmente. Eu me absinto […]

Ato (Poesia)

Ser um ser, pode ser um ser Se quiser será Mais até mais que um ser humano Muito diferente de um insignificante Muito mais interessante não ser mal comparado O insignificante, por mais que queira Já tem a inconsciência que é o mais importante

L4 (Poesia)

Pode vir andando nas páginas frias da L4 curvando a paisagem de sombras e no caminho tem cheiros que mudam. Tem montes de papelões, latinhas e gente quase humana debaixo do relento. Pode vir andando pela L4 vistoriando certas coisas injustificáveis.  

Transver a vida

Ali um monte de bêbados na praça. Não longe, os hippies, jogados sobre mantas no chão, tecem bijuterias, mostruários expostos, barbas e cabelos a lá Bob Marley, vidas e opções alternativas. A vida se armando do jeito de cada um. Esticar o olhar distante, sem fios, sem causa, de se pensar em quase nada. E […]

Teimosa paixão

Há tantas palavras em teus olhos que é anulado o silêncio insistente em tua boca. Que teimosa paixão adentra meu peito! Colecionadora de ilusões atrozes, dona de infundado sentimento ! Confesso aquilo que já não cabe no peito, agora transcendental e lúdico. Não me curte ilusões doces até que as possa incorporar. Estava flutuante até […]

tudo ou nada

há buracos negros no universo, funil de forças que transfixa o nada há buracos negros nas pessoas, plantas e animais que não conseguimos explicar pelas leis da física há puxões invisíveis entre os corpos, nos olhares, nos abraços mesmo com todas as divergências há aparente equilíbrio que não é a realidade porque não conseguimos entender […]

a rua dura

andei  hoje na rua na minha dura rua viva  e coletiva sentindo o seu cheiro abstrato fui subindo os contornos  que as esquinas mostram lá dentro de mim, não sei onde estava você sentada de soslaio me acompanhava serenamente como se tivesse, apenas, olhos acesos quando retornei o dia havia irrompido mesmo assim, você em […]

Sombra viva

fulgurosa sombra viva, que no torpor nunca termina, sendo clara avança resplandecente, entre folhas, entre sóis, não encontro dentro de mim a sua cor misteriosa, diferente de todas até então conhecidas. salvo-me por milagre ao encontrar as espirais do seu corpo liso. ao toque sutil a minha viagem não termina, enquanto não navegue em mares […]

Sublime

estas palavras  que não valiam nada, agora, valem ouro Tal qual Fernando Pessoa encarnado que sai do sepulcro do convento em Lisboa e sobe a rua boêmia e assenta onde menos se espera num banco da rua desce sobre você um rosário de inspiração as palavras tomam formas de flores, de beijos e desejos diz, […]